A SAUDADE

É saudade, e não cura.
É saudade, e tão dura.
Tão depressa passou.
É saudade da pura.

É aquilo que fica…
A lembrança, e mais nada.
Um apelo em silêncio…
A saudade danada.

Uma pressa do logo,
Um dia que não chega.
Uma dor tão aguda…
E a saudade está muda.

Outro dia, outra hora.
Amanhã, não agora.
Pode ser essa noite…
Ela vai, mas não volta.

 

DF 02/05/2016.

Fernando Fortuna

Publicitário, escritor, cineasta, músico. Pois bem, amante das artes e dos movimentos filosóficos da alma. Noite Literal é o meu quintal celestial. É neste espaço que pretendo trocar energias com você.

Leia também

COMENTE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *