ABRA A CAIXA

A vida é uma caixa de presentes.
Eu abri a caixa. E me encantaram todas as possibilidades:
Eram penduricalhos de sorrisos que cabiam em qualquer coisa,
E um frasquinho cheio de lágrimas, que não dizia a serventia.

Eu não vou verter lágrimas por qualquer coisa, por qualquer um.
Chorar depende muito esforço em sorver o coração.
Ainda valem os abraços, e, por eles, o coração se derrete.
Assim, as lágrimas vem em busca de colo, e não há esforço algum.

Vi tanta gente com sua caixa de presente ainda fechada,
Com medo de abrir, sem saber o que tem lá,
Olhavam as charmosas vitrines da ilusão: Felicidade em promoção.
Gastavam com isso o que não tinham, e morriam de tristeza, abraçadas com suas caixas.

Fernando Fortuna

Publicitário, escritor, cineasta, músico. Pois bem, amante das artes e dos movimentos filosóficos da alma. Noite Literal é o meu quintal celestial. É neste espaço que pretendo trocar energias com você.

Leia também

COMENTE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *