DOZE DE JUNHO

Amor é coisa pequena,
É egoísmo, é veneno.
Pouco vale, pouco dá.
Coisa boa não há de ser.

Quem quer amor, só quer ter.
É perigoso e até mata.
Ferramenta de um psicopata.
Uma bobagem maldita.
Falar de amor é um erro,
Uma tolice poética.
Uma inclinação patética,
Que só faz bem ao florista.
Não há sentido no amor.
É propaganda barata,
Numa exposição muito tola.
Não engrandece e apequena.
Amor de cu é rola.

Fernando Fortuna

Publicitário, escritor, cineasta, músico. Pois bem, amante das artes e dos movimentos filosóficos da alma. Noite Literal é o meu quintal celestial. É neste espaço que pretendo trocar energias com você.

Leia também

COMENTE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *