ELA SE LEVANTOU, FOI EMBORA, E ESQUECEU OS ÓCULOS

Ele achava que ela ficava linda com seus óculos, foi sim, um grande susto ao acordar, ele não sabia se havia desejado essa situação, se talvez estivesse apenas louco, mas não falou com ninguém, quando ele acordou, na segunda-feira, ela já estava no banheiro, e o vapor de água quente saia pela fresta da porta, ele se levantou, foi até o banheiro, ela estava escovando os dentes, enrolada numa toalha, e outra toalha ainda no cabelo, ele a abraçou por trás, e lhe beijou a nuca, quando ela se virou, ele levou um susto, ela riu, e perguntou se estava assim tão feia, ele a encarou, estranhou, olhou outra vez, coçou os olhos, ela ria, e pediu para que ele preparasse o café, como quem está no piloto automático, ele a atendeu, foi para a cozinha, fazendo a si mesmo um milhão de perguntas por segundo, ela não era estranha, ela era a esposa do seu amigo, mas, o que é que a esposa de seu amigo estava fazendo ali? Ela chega à cozinha, ele ainda não preparou o café, ela ri, toma a frente, pega o caneco, enche com água, acende o fogo, coloca a água para ferver, lhe dá um beijo carinhoso, e pergunta por que ele está tão pálido, ela ri, e pede para que ele coloque o pó quando a água ferver, ele pega o telefone e liga para o amigo, o telefone chama, alguém atende, e aquela voz do outro lado da linha é extremamente familiar, ele reconhece a voz de sua própria esposa dizendo “alô”, ele desliga o telefone, os dias passaram e nada havia mudado, estava tudo no lugar, mas aquela não era a sua esposa, aquela era a esposa de seu amigo, então, os casais se encontram no fim de semana, na casa de seu amigo, e lá está sua esposa, mas agora ela é a esposa dele, ele é o único que sabe o que aconteceu, os dias viram semanas, ele não ama aquela mulher que lhe abraça e beija com ternura, porque não é sua esposa, sua esposa está agora com seu amigo, as semanas viram meses, entre tédio e ciúme, ele espera pacientemente que aquela realidade se desfaça, e que sua esposa volte para casa, e que a esposa de seu amigo volte para a casa dela, mas isso não acontece, ele não faz amor com ela, e ela está insatisfeita, o amigo já está incomodado com os olhares apaixonados que ele lança sobre sua esposa, os meses viram anos, e a saudade que ele sente chega ao nível doloroso, cansado de esperar, ele liga para sua esposa e pede para encontra-la,  mesmo estranhando o tipo de encontro, ela atende ao convite, eles se encontram num café, suas atitudes carinhosas despertam nela a repulsa, ela chama sua atenção e lembra a ele que é esposa de seu amigo, ele conta a ela a verdade: diz a ela que a mais de um ano ele passou por uma fenda dimensional, e que os casais haviam sido trocados, e que esse padrão de realidade havia se alterado, ele fala da saudade que sente, diz o quanto a ama, e o quanto está impotente, primeiro ela ri, revela que em algumas situações sentiu por ele alguma atração, mas ela amava e era muito fiel ao seu marido, disse a ele o quanto ele estava sendo desrespeitoso, pediu que deixasse a ela e ao seu marido em paz, se levantou, saiu, e esqueceu seus óculos.

Fernando Fortuna

Publicitário, escritor, cineasta, músico. Pois bem, amante das artes e dos movimentos filosóficos da alma. Noite Literal é o meu quintal celestial. É neste espaço que pretendo trocar energias com você.

Leia também

COMENTE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *