O PESCADOR

Ele ficava horas, sentado naquele banco de jardim bem de frente para a fonte, e por mais que fosse encantador o balé frenético das águas, não era isso que lhe chamava a atenção.

Também não lhe interessava a beleza encantadora ou a má sorte de feiura nas mulheres, porque não estava em busca de nenhuma experiência social.

Espairecer, também não.

Certo é que, desde criança, tudo o que ele gostava de fazer era pescar. Era pescador d’um artigo cobiçado: as ideias das pessoas.

E dentre todas as ideias que estavam por ali nadando havia senhas de aplicativos, traições de todo tipo, boas e más intenções. Mas, ele estava interessado nos assassinos, e nas suas intenções de matar.

Então, ele acha o futuro criminoso e fica na sua cola, até o momento do crime.

Um dia, numa de suas pescarias, surge um novo assassino. O homem persegue uma garota, ele não pretende abusar dela sexualmente, mas tem uma excitação enorme em apertar o pescoço da garota. Em alguns instantes ela estará morta.

Ele assiste passivamente a cena, até ser atingido nas costas por uma, duas três, quatro, ele consegue ficar de frente com um homem que continua a lhe esfaquear, sem entender o que estava acontecendo ele perde a consciência. Em instantes ele estará morto.

Fernando Fortuna

Publicitário, escritor, cineasta, músico. Pois bem, amante das artes e dos movimentos filosóficos da alma. Noite Literal é o meu quintal celestial. É neste espaço que pretendo trocar energias com você.

Leia também

COMENTE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *