O TEMPO

Passou correndo…
Quase não vi.
Se era pra ser assim,
Porque estava morrendo,
Ficasse parado ali.

Não.
Prefere correr como louco,
Levando ao pó, aos poucos,
Esse lastro de carne e osso…
Essa coisa de pensamentos.

Cicatrizando momentos,
Esquecendo e lembrando…
Tinha que ser desse jeito?
Devia ter ficado no leito
Daqueles primeiros anos.

Enquanto caminhava,
Era bom…
Daí, resolveu ir correndo.
Passou a ser perda de tempo,
Acumular esses anos.

É vago medir o momento.
Porque tá passando…
É o tempo, é agora, e não ‘quando’…
É preciso lembrar, vez em quando,
Que estamos todos morrendo.

 

Fernando Fortuna

Publicitário, escritor, cineasta, músico. Pois bem, amante das artes e dos movimentos filosóficos da alma. Noite Literal é o meu quintal celestial. É neste espaço que pretendo trocar energias com você.

Leia também

COMENTE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *