SAUDADES DE ONTEM

Foto: Pixels

O hoje é um presente do passado para o futuro,
E, por mais que seja duro, ainda que no escuro,
Ainda que cego, ferido, e cansado,
Atrevo-me sonhar acordado.

Hoje é o agora em cheio, ainda que um tanto vazio,
Aonde vou preenchendo um caminho que se escreve
Consumindo o suor, suor que se faz liquor,
Liquor que amanhã será pó.

Hoje é a metade do dia que vai,
Mais a metade da noite que vem,
É um momento efêmero de eternidade,
Que parece não pertencer a ninguém.

E não adianta chorar, nem gritar,
Vai ser bom, mas vai doer.
Você vai querer ser grande, depois vai querer decrescer.
Não importa o querer, é hoje.

Fernando Fortuna

Publicitário, escritor, cineasta, músico. Pois bem, amante das artes e dos movimentos filosóficos da alma. Noite Literal é o meu quintal celestial. É neste espaço que pretendo trocar energias com você.

Leia também

COMENTE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *