UM VULTO

Um vulto

Eu peço um minuto ao tempo,
Ainda que seja um lamento,
Desejo fazê-lo em poema,
Pra que não se perca no vento…

E não se desfaça no acaso,
Tão pouco derreta em descaso,
O frio gemido da alma
Da dor que nuca vem ao caso…

E o tempo me nega o minuto,
Passando num tempo tão curto,
Que a fala começa e termina…
E a ideia não passa de um vulto.

 

Brasília 02/05/16

Fernando Fortuna

Publicitário, escritor, cineasta, músico. Pois bem, amante das artes e dos movimentos filosóficos da alma. Noite Literal é o meu quintal celestial. É neste espaço que pretendo trocar energias com você.

Leia também

COMENTE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *