O CHORO DA ALMA

Agora é a minha alma que chora,
Porque você vai embora,
E leva o meu coração…

Mas, tua presença é tão viva,
Que o único sentido da vida
É poetizar este sonho…

O meu amor é tamanho,
E sua miopia é aguda,
Porque você não vê…

Também eu estou cego,
O mundo passa, e eu não nego:
Que só enxergo você…

Minha alma chora.
Ela chora em soluços…
Cade você?

Um silêncio denunciante,
De que, no próximo instante,
Você não vai responder…

Agora minha alma chora.
Chora a falta do beijo,
Que tinha tanto carinho…

Aqueles poucos momentos,
Aquele encontro ligeiro
Mas, onde o tempo parava…

Você sabia: Eu amava…
Não era um jogo, eu dizia.
Era carinho, eu falava…

Agora minha alma chora.
Mas, ela espera ansiosa
Pelo próximo momento…

Eu sei, você vem num vento.
E se aconchega no canto
Do meu amor por você…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fernando Fortuna

Publicitário, escritor, cineasta, músico. Pois bem, amante das artes e dos movimentos filosóficos da alma. Noite Literal é o meu quintal celestial. É neste espaço que pretendo trocar energias com você.

Leia também

COMENTE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *